Tecnologia do Blogger.
RSS

A flor da meia noite

      Já era quase meia noite em Paris quando Isabelle estava voltando para casa depois de um longo dia de faculdade. As ruas estavam bastante desertas, e de repente ela sentiu algo vindo em sua direção, mas quando olhou para trás percebeu que era apenas a sua sombra.
      Chegando em casa finalmente, estava tudo silencioso e ela começou a se perguntar onde estaria sua mãe, e gritou:
- Mãe? Onde você está?
      Porém a mãe nada respondeu, e a única coisa que ela conseguia ouvir era o silêncio e o leve tom de preocupação. Ela foi caminhando pela casa, e ao chegar na sala viu sangue no chão. Por mais que ela não estivesse muito acostumada a ver sangue, este parecia diferente: era preto e escuro.
      O medo crescia dentro dela, e ao dar mais alguns passos, o telefone tocou. Ela tentou ver quem era, mas o número era desconhecido e ela teve que atender.
- Alô? - Disse ela com um leve tremor na voz.
- Se você quiser ver sua mãe mais uma vez na vida, siga estas instruções e venha buscá-la. - Uma voz grossa e macabra disse, enquanto Isabelle imaginava o que poderia ter acontecido com sua querida mãe.

AUTORAS: Julia Grangeia Moraes e Barbara Paiva

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comentários:

Postar um comentário